Setor avícola do RS cobra fiscalização redobrada

postado em: Notícias | 0

A chegada da Copa do Mundo preocupa o setor avícola do Rio Grande do Sul. O temor está na alta concentração de estrangeiros, o que poderia acarretar problemas sanitários para a cadeia gaúcha, que hoje exporta 60% da sua produção, com a entrada de enfermidades inexistentes no País, como o vírus da gripe aviária. Por isso, em encontro na manhã desta quinta-feira, a Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) cobrou atenção redobrada do Ministério da Agricultura durante o período, solicitando fiscalização mais intensa em regiões de fronteiras e aeroportos a fim de impedir qualquer incidente.

Na ocasião, representantes do setor receberam orientações visando à prevenção. A principal reivindicação é evitar visitas aos estabelecimentos e propriedades. “Nosso intuito é nivelar junto aos nossos associados e órgãos oficiais quais serão os cuidados na época do mundial. Solicitamos reforço através de uma inspeção mais rigorosa e apurada a produtos alimentares que possam estar entrando no País nos postos de acesso, além de recomendar reforço nos cuidados que já vêm sendo tomados pela indústria e produtores”, explicou o diretor executivo da Asgav, José Eduardo dos Santos.

Lembrando que as exportações brasileiras somaram, em 2013, aproximadamente US$ 8 bilhões, a fiscal do Serviço de Saúde Animal (SSA) do Ministério da Agricultura, Taís Oltramari Barnasque, garantiu que “há permanente preocupação tanto do setor público quanto privado na manutenção da condição sanitária do plantel avícola nacional”. Nesse sentido, segundo Taís, o ministério já instituiu “a vigilância ativa na importação de material genético avícola e de aves ornamentais e de companhia, colhendo amostras biológicas para pesquisa do vírus da influenza aviária e da doença de Newcastle”.

Sobre a inspeção em zonas de fronteira, o fiscal da Superintendência Federal de Agricultura (SFA/RS), Marcelo Vieira Mazzini, afirmou que o ministério já está se preparando para intensificar a fiscalização, por meio do Sistema de VigilânciaAgropecuária Internacional (Vigiagro), em áreas apontadas como prioritárias após a realização de uma análise de risco. “Em todos os aeroportos internacionais, inclusive no Salgado Filho, será realizada uma operação pente fino para impedir a entrada de produtos que possam colocar em risco a produção agrícola nacional”, completou.

De acordo com o coordenador do Programa Estadual de Sanidade Avícola da Secretaria de Agricultura, Flávio Loureiro, medidas preventivas também serão instaladas no Rio Grande do Sul. “Pelo menos metade dos visitantes vem de países com ocorrência de influenza aviária. Por isso, estamos encaminhando circulares alertando para que não haja circulação de pessoas, em especial turistas, nas granjas. Além disso, uma minuta deve estabelecer restrições à participação de aves e suínos em feiras e remates durante o período da Copa”, disse.

Fonte:  Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − doze =