Enquanto vacina é prevenção, soro é tratamento

postado em: Notícias | 0
De onde vem o que eu uso: cavalos que participam da produção do soro anti-Covid comem melaço e até escutam música clássica
Tratamento oferecido pelo Instituto Vital Brazil, no Rio de Janeiro, tem o objetivo de reduzir estresse e promover bem-estar dos animais. O órgão lidera uma das pesquisas que usa anticorpos do plasma dos cavalos em pacientes com coronavírus. Soro ainda vai ser testado em humanos.

Tradicionalmente usados como meio de transporte, os cavalos cada vez mais prestam serviços para além das fazendas. A bola da vez é a importância deles para a saúde humana, em especial no combate à Covid-19.

É que os cavalos podem fornecer anticorpos por meio de seu plasma para a produção de um soro que visa combater o coronavírus em pessoas infectadas pela doença. A técnica já é usada há anos na fabricação de medicamentos contra picadas de cobras, aranhas e abelhas.

O Instituto Butantan, em São Paulo, lidera uma das iniciativas no país e já teve o seu soro liberado para testes em seres humanos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Já o Instituto Vital Brazil (IVB), no Rio de Janeiro, tem uma pesquisa semelhante, que ainda aguarda a aprovação da agência para testes em humanos, mas já tem planos de investigar se o soro é eficaz contra a variante Delta, diz Priscilla Palhano, presidente da entidade.

Ela conta que, na fazenda do instituto, em Cachoeiras de Macacu (RJ), os cavalos recebem um tratamento diferenciado para conseguirem aguentar as retiradas semanais de sangue. Lembra um pouco os cuidados com o boi wagyu, que chegava a receber até massagem e cerveja no Japão.

Os cavalos recebem uma ração balanceada em nutrientes, que é misturada a aditivos de ferro para evitar anemia e também ao melaço de cana para deixar a comida mais saborosa. Na hora de comer, também tem música clássica para diminuir o estresse.

Grandes áreas de pastagens permitem ainda que os cavalos corram livremente e, no verão, ventiladores nos estábulos soltam gotículas de águas para eles se refrescarem.

Dentre os apoiadores da pesquisa estão o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), ambos ligados ao Ministério da Ciência.

Em todo o Brasil, a tropa é composta por, aproximadamente, 5 milhões de cavalos. Os principais plantéis estão em Minas GeraisRio Grande do Sul e Bahia, estados onde o efetivo ultrapassa 400 mil.

setor movimenta R$ 16 bilhões por ano, levando em conta suas diferentes atividades: agropecuária, militar, esporte, lazer e saúde.

Ao todo, o segmento gera em torno de 3 milhões de postos de trabalho direto e indiretos, segundo dados da revisão do Estudo do Complexo do Agronegócio do Cavalo, do Ministério da Agricultura.

Fonte G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 4 =