Sete pontos mostram a reconstrução do Inter após vexame no Gre-Nal

postado em: Notícias | 0

O Gre-Nal doeu no Inter. E muito. Não foi para menos, o time vermelho levou 5 a 0 do rival, algo que não ocorria há mais de 100 anos. E após o vexame, o Colorado acordou. Foram quatro jogos sem sofrer um gol sequer, sendo três vitórias. E a recuperação passa por sete pontos principais a partir da contratação do técnico Argel Fucks. 

Com o ex-zagueiro, o time e o ambiente foram alterados. A reportagem do UOL Esporte elencou uma série de fatores que pesam para a virada vermelha consolidada com a vitória por 2 a 0 diante do Atlético-PR, domingo, que deixou a zona de classificação para próxima Libertadores apenas cinco pontos distante. 
 
NOVO COMANDO, ESTILO MILITAR
Argel assumiu o Internacional depois da vitória diante do Fluminense. Logo que chegou, modificou as regras de vestiário, impôs limites, conversou olho no olho com os jogadores e criou um ambiente positivo para recuperar a moral de todos. Conseguiu e teve boa resposta dentro e fora de campo. 
 
RECUPERAÇÃO DOS EXCLUÍDOS
Vitinho e Paulão são exemplos claros de jogadores recuperados por Argel no Inter. O primeiro sobrou do banco de reservas em jogos importantes com Diego Aguirre. Virou titular absoluto e tem mantido alto nível de atuação. O zagueiro também deixou a 'geladeira' e marcou o segundo gol na vitória diante do Atlético-PR. 
 
SOLIDEZ DEFENSIVA
Depois do clássico Gre-Nal, o Internacional não levou mais gols. Seja com Odair Hellmann no comando contra o Fluminense ou Argel desde então, o time vermelho não viu a meta de Alisson ser vazada. Aprendeu após levar cinco do rival e constrói, assim, uma nova campanha. 
 
EMPATIA COM A TORCIDA
Com uma equipe que marca em cima e vibra durante o jogo, Argel conseguiu, rapidamente, conquistar a torcida do Inter, que se via abalada após ser humilhada no clássico. Já vê os aficionados crentes, até, em classificação para próxima Libertadores e empolgados com a oportunidade de ir longe na Copa do Brasil. 
 
FIM DOS REINADOS
Não há mais um protagonista absoluto no Internacional. Mesmo que defenda D'Alessandro, Argel mostra não ter receio algum de sacar o argentino do time. Não dá ao armador mais responsabilidades do que ele precisa. Segue capitão, mas não vê o time jogar apenas em torno de si. 
 
DISCURSO PADRÃO COM A DIREÇÃO
Enquanto Diego Aguirre comandava o Inter, não era raro ver o treinador dizer uma coisa e a direção outra totalmente diferente em entrevistas. Era evidente que as ideias do comando técnico e político não casavam. Agora, Argel tem total aval dos comandantes do clube e mostra discurso semelhante à direção. 
 
SEM CHANCE A QUEM NÃO RENDE
Anderson, Réver, Juan… Quem não está bem não joga. Tem sido assim desde a chegada de Argel. Sem pudor de deixar fora do time altos salários e atletas renomados, o treinador tem dado chance aos que mostram esforço nos treinamentos e aposta no momento de cada um dos jogadores. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 2 =